Edição genética | Investigadores franceses apelam a mobilização geral favorável às novas técnicas genómicasBlog

A Associação Francesa de Biotecnologia Vegetal (AFBV) apela a uma mobilização geral dos investigadores em toda a Europa para assegurar a implementação urgente de um grande plano de adaptação das variedades vegetais às alterações climáticas. A associação considera que “a emergência climática requer o recurso às novas técnicas genómicas”.

A AFBV (AFBV), que reúne duzentos investigadores e especialistas em biotecnologia ‘verde’, considera a utilização de novas biotecnologias vegetais como uma condição necessária para o sucesso deste plano de adaptação, que se tornou ainda mais necessário não só para garantir a segurança alimentar mas também a soberania económica da União Europeia à medida que as alterações climáticas se fazem sentir.

Num comunicado de imprensa, a AFBV manifestou-se a favor das novas técnicas de melhoramento vegetal, também conhecidas como novas técnicas genómicas (NTG), afirmando que a “emergência climática requer o recurso às biotecnologias vegetais”.

Para a AFBV, 2022 não deve ser considerado um ano climático excecional, mas sim um ano representativo daquilo que espera os agricultores no futuro. Com as variações de temperatura (geadas tardias, temperaturas elevadas) e alterações na precipitação (cheias, secas), o espetro de patogénicos e pragas vegetais e a amplitude do seu impacto irão ambos mudar. “A investigação vegetal, que até agora se tinha concentrado principalmente no desenvolvimento de plantas resistentes ao stress biótico causado por pragas e doenças, deve agora envolver-se também em programas de combate ao stress abiótico causado por “danos climáticos”, prejudicando a produtividade e a qualidade das nossas culturas, e portanto a qualidade dos nossos alimentos”, afirma a associação no comunicado.

“É da responsabilidade da investigação pública e privada fazer todos os esforços para obter rapidamente soluções genéticas que permitem às plantas protegerem-se contra os riscos climáticos. Mas sem a utilização de novas biotecnologias vegetais, será mais difícil e levará mais tempo a responder a estas novas necessidades. Nesta perspetiva, o sector público deve recuperar um papel de liderança na melhoria das tecnologias e na busca da função genética em novas características requeridas (resistência às tensões bióticas e abióticas).”

“Os melhoradores de plantas só podem envolver-se neste novo caminho se as autoridades públicas lhes fornecerem uma regulamentação quadro que lhes permita comercializar plantas derivadas de novas ferramentas de engenharia genética (edição de genoma). Este já é o caso dos seus concorrentes no mercado mundial de sementes.”

“A UE demonstrou muito recentemente, noutros domínios vitais, que poderia atuar e tomar importantes decisões rapidamente. A AFBV espera o mesmo impulso no campo estratégico do melhoramento genético de modo a que a agricultura possa beneficiar de todas as inovações tecnológicas de que necessita para lutar contra os efeitos das alterações climáticas e responder às preocupações da sociedade sobre a segurança alimentar.”

Leia aqui o comunicado de imprensa da AFBV (em francês).

[gtranslate]