OGM | Como é que as variedades GM contribuem para a sustentabilidade do sistema alimentar?Blog

A importação e produção de culturas geneticamente modificadas (GM) na União Europeia (UE) contribui para os objetivos da Europa para um sistema alimentar sustentável e é um fator chave para alimentos seguros e acessíveis.

A UE depende em 70% das importações de culturas ricas em proteínas para o seu setor de alimentação animal. De acordo com a Comissão Europeia, se as importações de soja dos Estados Unidos, Brasil e Argentina fossem descontinuadas, a Europa (principalmente a França, Itália e Áustria) teria de aumentar 155% a sua produção. Avaliações recentes indicam que tal expansão exigiria a conversão de vastas áreas de florestas da UE em terras agrícolas, impactando negativamente a biodiversidade na UE.

Da mesma forma, se as importações de milho, algodão e colza GM parassem, seriam necessários 24,2 milhões de hectares adicionais de terras agrícolas para produzi-los – uma superfície equivalente à terra arável de França, Bélgica, Holanda, Dinamarca e Grécia.

Ganhos socioeconómicos para os agricultores da UE e de países terceiros

Em 2019 foram produzidos 190,4 milhões de hectares de culturas GM em 29 países, dos quais 24 eram de baixo e médio rendimento. Estima-se que 17 milhões de agricultores e suas famílias beneficiam atualmente da tecnologia dos OGM.

Ao longo dos últimos 25 anos, os cultivos GM contribuíram para melhorar os meios de subsistência em países de baixo e médio rendimento, reduzindo a insegurança alimentar, aumentando a segurança do uso de pesticidas e garantindo maiores lucros. Os benefícios económicos líquidos das culturas GM  foram estimados, entre 1996 e 2018, em 225,1 mil milhões de dólares  e foram distribuídos pelos agricultores em países desenvolvidos e em desenvolvimento (respectivamente 52% e 48%) .

Na Europa, os agricultores que cultivam milho resistente a insetos em Espanha e em Portugal aumentaram o seu rendimentos para 285,4 milhões de euros entre 1998 e 2018. O acesso a culturas GM ricas em proteínas e cultivadas em condições favoráveis ​​de clima e solo nas Américas é um elemento importante na competitividade do setor pecuário da UE, que representa cerca de 40% do valor total da produção agrícola da UE. Uma interrupção nas importações de soja e milho GM causaria aumentos de preços, ameaçando a competitividade externa dos produtos derivados da pecuária da UE, como leite e carne.

Se as matérias-primas para alimentação animal não pudessem mais ser importadas da Argentina, do Brasil ou dos EUA, os custos da alimentação na UE aumentariam cerca de 500%. Isso reduziria o setor pecuário em 34% para suínos e aves, com decréscimos de 7,47% para bovinos/ovinos e 9,32% para o setor de laticínios. Da mesma forma, uma proibição total das importações de soja GM desses países levaria a um aumento dos custos de alimentação de 3% para galinhas poedeiras e de 26% para ovinos e caprinos de engorda, e a uma redução da produção de suínos europeus (-2,8%), aves (-3% ), ovos (-2%) e leite (-0,9%).

Agricultura mais sustentável nos países produtores

O cultivo de variedades GM apoia a adoção de práticas de agricultura de conservação, como plantio direto, beneficiando a saúde do solo, a biodiversidade, a redução de emissões, a gestão do uso da água e a Gestão Integrada de Pragas nos países produtores.

Saúde do solo – O plantio direto permite que os solos armazenem nutrientes e água com mais eficiência. Isso mantém a cobertura do solo, evitando a erosão e o escoamento. Também aumenta a biodiversidade do solo, promovendo o crescimento da micro e macrofauna afetada pelas alfaias agrícolas. A redução do manuseamento do solo promove a conservação de habitats para mamíferos, aves e outros animais que vivem em agroecossistemas.

Redução de emissões de GEE – A expansão do plantio direto contribui para a redução das emissões de gases de efeito estufa devido ao menor consumo de combustível das máquinas agrícolas. Menos manuseameto do solo também significa que o carbono, em vez de ser libertado na atmosfera, é capturado e armazenado no solo.

Em 2018, o cultivo de variedades GM permitiu, globalmente, uma redução de 2,4 milhões de kg de dióxido de carbono, uma poupança de 920 milhões de litros de combustível, e o armazenamento no solo de 5,6 milhões de kg de carbono. Isso equivale a 20,5 milhões de kg de CO2 não libertados na atmosfera, o que significa uma economia total de 23 milhões de kg de CO2 não libertado – o equivalente a tirar 15,3 milhões de carros das ruas por um ano.

Melhor gestão da água e maiores rendimentos – As variedades resistentes a pragas precisam de menos água e de menos inseticidas e garantem aos agricultores melhores rendimentos por hectare plantado. Além disso, os campos manejados com plantio direto durante vários anos geralmente têm uma capacidade de retenção de água maior do que os campos cultivados de modo convencional. As culturas resistentes à seca também permitem aos agricultores gerir melhor o risco de stresse hídrico, mantendo os rendimentos ideais em situações de escassez de água.

Gestão Integrada de Pragas – Os agricultores que usam variedades GM resistentes a insetos fazem um uso mais sustentável de inseticidas, reduzindo o seu impacto ambiental no ecossistema local.

As culturas GM protegidas contra insetos facilitam o controlo muito direcionado de pragas, reduzindo o uso de inseticidas de amplo espetro e minimizando o risco de afetar as espécies não-alvo.

Desde 1996, a utilização de inseticidas na área global plantada com culturas GM resistentes a insetos foi reduzida em 112,4 e 331 milhões de kg de substância ativa para milho e algodão, respetivamente. Em 2018, o milho GM protegido contra insetos economizou cerca de 8,3 milhões de kg de substância ativa – ou seja, uma redução de 82% no uso de inseticidas. Para o algodão, a poupança estimada de substância ativa foi de 20,9 milhões de kg – uma redução de 55% no uso de inseticidas.

[gtranslate]