Opinião |O potencial da edição do genoma na cura de doenças genéticasBlog

“O sucesso no tratamento de doenças como as SCIDS (do inglês severe combined immunodeficiency) veio trazer esperança e relançar a investigação das terapias génicas incluindo terapias com edição do genoma. A edição do genoma tem como principal vantagem a elevada precisão. Enquanto no tratamento por terapia génica aprovado para SCID a inserção do gene corrigido no ADN é aleatória, na edição do genoma a inserção é numa zona específica do ADN. Mas esta precisão é realizada à custa de eficiência e poderá não ser 100% precisa e nesse sentido a tecnologia terá de continuar a ser aperfeiçoada – Excerto do artigo de opinião “A edição do ADN vai curar as doenças genéticas?”, da investigadora Ana Sofia Coroadinha, publicado originalmente na revista Visão Saúde de Janeiro.

ASC

Este artigo de opinião resultou de um workshop de formação para jornalistas e comunicadores de ciência promovido pelo CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, em Dezembro de 2019, sobre “Edição de genomas – aplicações na medicina e na agricultura”. Como oradores, o encontro contou com a intervenção da autora deste artigo de opinião, Ana Sofia Coroadinha, investigadora no ITQB NOVA, que falou das “Potencialidades da edição de DNA na cura de doenças genéticas”, e de Pedro Fevereiro, professor no ITQB NOVA, sobre o tema “CRISPR-Cas9 e outras ferramentas de edição de genomas para uma produção de alimentos mais sustentável.”

Siga o CiB no Twitter, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.