OGM | Milho geneticamente modificado não tem efeitos negativos nos ratosBlog
Créditos: INRA

Mais uma vez – e quantas mais serão necessárias? – as conclusões do trabalho de Gilles-Éric Séralini foram contrariadas por um novo estudo realizado pelo Instituto Nacional de Investigação Agrícola Francês (INRA), no âmbito do projeto OGM 90+.

Numa campanha feroz contra as culturas geneticamente modificadas, concretamente o milho MON 810 e NK603, o biólogo molecular francês e ativista contra os Organismos Geneticamente Modificados, Gilles-Éric Séralini, afirmou que o consumo destas duas variedades de milho por ratos levou a que desenvolvessem cancro. Mas o estudo do INRA nega esse resultado, mostrando de forma inequívoca que o milho MON 810 e NK603 “não tem nenhum efeito deletério na saúde e metabolismo dos ratos, mesmo por longos períodos de tempo de consumo.”

Esta é a terceira vez que as conclusões de Séralini caem por terra. Antes do INRA,  outros estudos, como G-TwIST e GRACE, também as rejeitaram.

Saiba mais no artigo original (em inglês), num resumo deste artigo na Toxicological Sciences  (em francês) e no blogue do jornalista francês Sylvestre Huet, especialista em ciência.

No comunicado de imprensa do INRA também encontra mais detalhes.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal

pt Português
en Englishpt Portuguêses Español